Dispersão – Entenda o que é.

E qualquer mídia, seu público não tolera conteúdo irrelevante.
Ouvinte muda a estação de rádio. Quanto mais fácil e conveniente procurar outro conteúdo, maior a dispersão.

A tecnologia e o fator dispersão em comunicação

É comum ouvir que as novas tecnologias, especialmente a internet, mudaram o comportamento do público e consequentemente, a comunicação. Para entender esse fenômeno, deve-se ter bem claro que novos comportamentos não se criam espontaneamente. Eles surgem de desejos e necessidades cujo pleno atendimento depende, além da possibilidade, do conforto e conveniência em fazê-lo.

Muito antes da Internet

Para entender isso, vamos analisar uma mídia muito mais antiga que a internet, mas ainda muito relevante, o rádio. Esse foi um caso onde uma pequena mudança visando aumentar o conforto e a conveniência do usuário teve um grande impacto no seu comportamento,

Praticamente até o início da década de 90, na grande maioria dos equipamentos de rádio, especialmente automotivos, o usuário sintonizava sua rádio preferida através de um botão giratório que mexia um cursor físico através de um dial. Por uma questão de pura e simples preguiça de procurar outra estação, ou mesmo pela dificuldade em achar uma que tivesse um bom sinal, com um som cristalino, as pessoas mudavam muito menos de estação no intervalo comercial. Até mesmo um programa cujo conteúdo não fosse considerado tão interessante, acabava sendo ouvido pelo mesmo motivo.

O usuário no comando

A grande mudança no comportamento do usuário veio com o controle digital do aparelho, o que temos hoje. O usuário programa na memória do aparelho suas estações preferidas, indo de uma para a outra com um simples “clique”, da mesma maneira que um “zapeador” muda de canal de TV.

Com o aumento no poder de escolha do usuário, aumentou também a dispersão. Para atingir um determinado público, não basta anunciar no intervalo comercial de um programa dedicado a ele. Se tanto o conteúdo em si como as peças publicitárias não forem considerados relevantes, serão rejeitados com um simples clique.

O leitor deve estar se perguntando qual a relevância de se contar a história de uma mídia quase centenária, como o rádio, se o assunto é marketing de conteúdo, um conceito tão relacionado à internet, tão ligada aos dias atuais?

A resposta é bastante simples. Independentemente da mídia utilizada, sempre estaremos lidando com pessoas. Entender seu comportamento e oferecer conteúdo que elas considerem relevante é fundamental para uma estratégia de comunicação bem-sucedida.